Patchworld reborn

With the demise of Geocities, I have to find another site to host my RPG goodies, collectively known as Patchworld. While that doesn’t happen, I decided to host the material here at WordPress. I’ll be gradually uploading all the content in a simplified format.

Fim da maratona de outubro

Ufa! A maratona de outubro acabou. Foram 31 textos — um para cada dia do mês. Embora, na verdade, não tenha produzido textos novos, acabei redescobrindo obras inacabadas e ganhando gás para continuar escrevendo. Além disso, como consequência de postar essas histórias, surgiu um novo projeto que pode ser bem legal. Bom, agora continuarei postando, mas provavelmente não nesse ritmo frenético. :] Fiquem ligados!

Minicontos

O Cavaleiro

Estamos no Arizona, 1864. Estou entrando num salão para matar dezesseis homens. Gente comum: ladrões, vaqueiros, bancários… Nada pessoal, apenas chegou a hora deles.

Entro no salão. Minha imagem, vestido todo de preto, do chapéu às botas, incluindo as armas, chama atenção – todos olham para mim. Ajo rapidamente: saco as pistolas e começo a atirar. Os tiros são certeiros, uma bala para cada um. Termino em menos de um minuto. Os que sobreviveram, me olham com uma mistura de espanto e medo. Dou meia-volta e saio do salão. Monto no meu cavalo pálido.

Meu trabalho nunca termina, e ainda tenho de encontrar os outros três cavaleiros…

 


 

O Caçador

Eu caço monstros para viver. O povo desta cidadezinha me contratou para acabar com um lobisomem que tem dado problemas. Consegui rastrear o bicho até um chalé abandonado na floresta, e vim todo preparado para dar cabo dele. Tenho uma carabina de cano duplo e várias balas de prata. Logo que entro, localizo o monstro. Ele está parado no meio da sala, como se estivesse me esperando. Ainda está na sua forma humana. Não perco tempo e atiro. Faço um buraco do tamanho de um punho no peito dele, mas ele não cai; ao invés disso, fica rindo. Disparo de novo. Nada. Ele dá um passo para frente, ainda rindo, e a luz da lua cheia o ilumina. Vejo então os caninos protuberantes e os olhos vermelhos. Aí me dou conta do meu erro: ele não é um lobisomem, é um vampiro.

Prata não funciona com vampiros…