Skip to content

Minicontos

01/11/2009

O Cavaleiro

Estamos no Arizona, 1864. Estou entrando num salão para matar dezesseis homens. Gente comum: ladrões, vaqueiros, bancários… Nada pessoal, apenas chegou a hora deles.

Entro no salão. Minha imagem, vestido todo de preto, do chapéu às botas, incluindo as armas, chama atenção – todos olham para mim. Ajo rapidamente: saco as pistolas e começo a atirar. Os tiros são certeiros, uma bala para cada um. Termino em menos de um minuto. Os que sobreviveram, me olham com uma mistura de espanto e medo. Dou meia-volta e saio do salão. Monto no meu cavalo pálido.

Meu trabalho nunca termina, e ainda tenho de encontrar os outros três cavaleiros…

 


 

O Caçador

Eu caço monstros para viver. O povo desta cidadezinha me contratou para acabar com um lobisomem que tem dado problemas. Consegui rastrear o bicho até um chalé abandonado na floresta, e vim todo preparado para dar cabo dele. Tenho uma carabina de cano duplo e várias balas de prata. Logo que entro, localizo o monstro. Ele está parado no meio da sala, como se estivesse me esperando. Ainda está na sua forma humana. Não perco tempo e atiro. Faço um buraco do tamanho de um punho no peito dele, mas ele não cai; ao invés disso, fica rindo. Disparo de novo. Nada. Ele dá um passo para frente, ainda rindo, e a luz da lua cheia o ilumina. Vejo então os caninos protuberantes e os olhos vermelhos. Aí me dou conta do meu erro: ele não é um lobisomem, é um vampiro.

Prata não funciona com vampiros…

No comments yet

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: