Skip to content

Pedal patagônico: Trecho 2.2 – Porvenir –> San Sebastian

28/01/2016
39 km no meio do nada

Atravessando o estreito de Magalhães

Atravessando o estreito de Magalhães

A travessia do estreito de Magalhães foi tranquila, feita, em meio ao vento e ao sol, a bordo da barca Pathagon. Infelizmente, não rolou nenhuma aparição de golfinhos ou baleias. O desembarque foi realizado na baía Chilota, na Terra do Fogo, a 5 km de Porvenir. Essa distância foi rapidamente percorrida e logo chegamos à cidade, uma “megalópole” de 5 mil habitantes, a grande maioria dos quais não parece muito entusiasmada em aparecer na rua.

Baía Chilota e, ao fundo, Porvenir

Baía Chilota e, ao fundo, Porvenir

Seguimos direto para nossa hospedagem, o albergue Los Canelos, e, logo na porta, conhecemos duas turistas alemães que iriam ficar no mesmo lugar: Doris e Regina. De fora, o albergue assusta um pouco — uma casa amarela um pouco dilapidada que poderia funcionar facilmente como locação de filme de terror. Mas, ao entrar, essa sensação muda completamente. Não só o interior da casa é confortável, aconchegante e bem arrumado, sua dona, Margarita, é uma pessoa muito amável que faz você se sentir como se estivesse em sua própria casa. Tanto nós como as alemães tiveram essa impressão.

Albergue Los Canelos

Albergue Los Canelos

Almoçamos com Doris e Regina no restaurante Croacia e, depois, tomamos um café no albergue Yendegaia. Mais tarde, Sandra, Hélio e eu fomos dar uma volta por Porvenir nas bicicletas. A cidade não tem muitos atrativos, mas há um mirante num morro e decidimos visitá-lo ao cair da noite. O passeio serviu também para testarmos nossas habilidades de manobra em pista de ripio. A subida e a descida foram tensas, porque tínhamos que ficar bem atentos para que a bike não derrapasse e fôssemos ao chão. A ideia de repetir a experiência ao longo de uma estrada de 97 km não apeteceu nosso coração de cicloturista de primeira viagem e começamos a pensar em como conseguirmos um transporte para esse trecho.

Mapa de Porvenir no albergue Yendegaia

Mapa de Porvenir no albergue Yendegaia

No dia seguinte, nos aventuramos pela estrada que leva ao norte da cidade para conhecer a laguna Los Cisnes, onde, supostamente, haveria flamingos. Depois de 12 km, encontramos a laguna, mas ela estava um pouco mais distante do que imaginávamos:

A caminho da laguna Los Cisnes

A caminho da laguna Los Cisnes

Laguna Los Cisnes... Muito longe.

Laguna Los Cisnes… Muito longe.

Ao voltar a Porvenir, descobrimos que a laguna já não era mais tão badalada, porque as pessoas deixavam seus animais pastarem na área e acabaram espantando as aves. Almoçamos no hotel Barlovento, que fica no caminho para a laguna, e, de tarde, conseguimos contrar um transporte que nos levaria, no dia seguinte, para visitar a pinguinera que fica próxima a Onaisin. Essa é uma colônia de pinguins-rei que provavelmente não visitaríamos, porque fica 10 km ao sul do cruzamento pelo qual passaríamos  a caminho de San Sebastian. O combinado foi que após a visita à piguinera, Juan, nosso motorista, nos deixaria nesse cruzamento para seguir viagem.

Último jantar em Porvenir, com Doris e Regina

Último jantar em Porvenir, com Doris e Regina

Jantamos com Doris e Regina e elas nos contaram sobre seus planos de construir uma comunidade em sua cidade natal, Munique. Como a cidade é muito cara, elas e mais 18 amigos estão tentando comprar da prefeitura um terreno (a preço justo, sem especulação; um programa do governo municipal) para construir um prédio ou algo similar onde todos possam morar. Como é necessário haver uma contrapartida para a sociedade, o lugar incluirira espaços para atividades para a comunidade, como cursos, palestras etc. O local também teria um apartamento para que, no futuro, quando seus fundadores forem idosos, um cuidador possa morar lá e cuidar deles.

Na manhã seguinte, partimos com Juan pelo famigerado caminho de ripio. A paisagem da rota, que passa ao largo da baía Inútil, é muito bonita.

IMG_20160110_083416571IMG_20160110_083901108 IMG_20160110_084125865IMG_20160110_084509775 IMG_20160110_084535556 IMG_20160110_084730534

A caminhonete de Juan com as bicicletas

A caminhonete de Juan com as bicicletas

Mas as subidas e descidas íngremes mostraram que foi acertada a decisão de não nos aventurarmos pelo caminho. Como em outros trechos da viagem, o caminho conta com uma diversidade “nadas”, em termos de estruturas e suporte.

 

Pinguins-rei

Pinguins-rei

A pinguinera é interessante, mas nada fantástico. Está localizada em propriedade particular e, antigamente, podia-se visitá-la de graça. Mas então o dono se deu conta de que podia ganhar dinheiro com isso e, hoje, se paga 12.000 pesos chilenos por pessoa. Os pinguins-rei ficam concentrados em dois lugares: junto ao rio e na praia. Nesse dia, estavam muito juntos por conta do vento forte e frio.

Crescendo no caminho

Crescendo no caminho

Como havíamos chegado por volta das 10 h, tivemos que esperar a bilheteria abrir (às 11 h). Nesse meio tempo, uma van parou e também ficou esperando. Curiosa com os dizeres pintados na lataria — um URL que lia http://www.creciendoenelcamino.com — a Sandra foi falar com o motorista e descobriu que era um casal argentino que estava viajando com o filho de uns dois anos do Ushuaia até o Alasca. Eles sempre quiseram afzer essa viagem e, quando o filho nasceu, viram que era agora ou nunca.

Um abrigo no meio do nada

Um abrigo no meio do nada

Conforme combinado, Juan nos deixou no cruzamento que leva de volta a Poervenir para oeste, a Cerro Sombrero para o norte, Onaisin para o sul, e San Sebastian para leste. O vento era forte e incansável, mas, por sorte, há uma casinha — outro ponto de ônibus — ali, no meio do nada, que proporciona algum abrigo. Entramos com as bicicletas para comer nossos sanduíches e arrumar tudo. Nas paredes internas, encontramos mensagens de outros ciclistas e viajantes que também pararam ou pernoitaram ali.

Infelizmente, confirmamos a informação nos dada de que a estrada após o cruzamento era de ripio e assim seria até o posto argentino da fronteira, em San Sebastian. Pelo menos, o vento forte estava a nosso favor. Mal tínhamos que pedalar — a ventania nos empurrava, mesmo nas subidas. Claro que, quando a rodovia mudava de direção, o vento, de aliado, passava a inimigo. Em uma descida com vento de lado, a Sandra foi jogada ao chão, mas não se machucou.

39 km no meio do nada

39 km no meio do nada

E assim seguimos por uma paisagem inóspita. Uma coisa que ficou clara foi que uma amarração de bagagem que funciona no asfalto, não necessariamente se dá bem numa estrada de ripio, onde a trepidação é constante e os solavancos fortes. Tivemos que parar várias vezes para reforçar nós e reorganizar os volumes nas três bicicletas. Como se não bastasse, o bagageiro do Hélio quebrou e só aguentou o caminho com a ajuda dos deuses do cicloturismo.

A fronteira

A fronteira

Quando chegamos no lado chileno da fronteira, 39 km depois do cruzamento, uma mulher que tinha uma venda dentro de um ônibus nos informou que havia uma hospedaria próxima, mas que era cara, e que valia mais a pena ficar na do lado argentino. Apesar de não ter banheiro para clientes, permitiu que Sandra usasse o de sua casa. Seu marido também nos ajudou, conseguindo um parafuso que desse um pouco mais de firmeza ao bagageiro do Hélio, de maneira que a estrutura aguentasse até chegarmos a Rio Grande, onde uma mecânico de bicicletas pudesse resolver o problema definitivamente.

Olá, pavimento, meu velho amigo!

Olá, pavimento, meu velho amigo!

Depois de um rápido trâmite no posto chileno, pedalamos por 16 km até o posto argentino, onde vi uma placa com as duas palavras mais bonitas da língua espanhola: “Inicio pavimento”. Na entrada do posto, conhecemos uma casal de suíços, Daniel e Jaqueline. Eles nos disseram que o posto tinha uma sala com água e aquecimento, onde ciclistas e outros viajantes podiam pernoitar. Como não falavam espanhol, pediram nossa ajuda para descobrir onde era.

Chegamos!

Chegamos!

Descobrimos o local, carimbamos nossos passaportes e fomos com eles até a sala, onde já havia um casal de Hong Kong (que viajava há três anos em bike) acampado. Depois de nos instalarmos, um casal de Buenos Aires que viajava de moto também chegou e todos nós passamos a noite no posto.

 

 

Não tem pra ninguém!

Dormindo no posto

Dormindo no posto

No comments yet

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: