Pedal patagônico: Trecho 3.2 – Tolhuin — > Lago Escondido

Sandra, Christian e Hélio em frente à Panadería Unión

Assim como em Rio Grande, a ideia era só pernoitar em Tolhuin, mas dada a pedalada de 111 km, achamos melhor descansar um dia antes de seguir viagem. Nessa primeira noite, ficamos no quarto que o dono da Panadería La Unió

n disponibiliza no depósito da padaria para cicloviajantes e andarilhos. As paredes do cômodo são repletas de desenhos e mensagens de outr

os viajantes que já haviam passado por ali. O quarto conta com uma cama de solteiro, um beliche e um colchonete. A cama já estava ocupada por um viajante alemão que trabalhava na padaria há um ano para aprender o ofício. Hélio ficou na parte de cima do beliche; Sandra, na de baixo e o colchonete sobrou pra mim.

Bicicleta dupla recurva de Anysya e Alexi
Bicicleta dupla recurva de Anysia e Alexi

Nessa mesma noite, outros cinco cicloviajantes chegaram a Tolhuin. Primeiro, um grupo de quatro que haviam se conhecido em Ushuaia e pedalavam juntos temporariamente: um chileno, um alemão e um casal de suícos, Anysia e Alexi. Estes tinham partido da Suíça, passado pelo Marrocos e chegado a Ushuaia, de onde seguiam para o Alasca. Eles viajam numa bicicleta dupla recurva. O último cicloviajante a chegar foi o argentino Christian Beiser, que nos acompanhou até o final da viagem.

Às margens do lago Khami (ou Fagnano)
Às margens do lago Khami (ou Fagnano)

Na manhã seguinte, nos despedimos de Anysia, Alexi e os outros dois, e aproveitamos para conhecer a pequena Tolhuin na companhia de Christian. A cidade fica às margens do lago Khami (ou Fagnano), onde encontrams um condomínio de chalés e o que pareceu ser um aparque de diversõe sou feira abandonado. Na volta, comemos torta frita. À noite, eu, Sandra e Christian mudamos para uma pousada, porque ele não estava conseguindo dormir e a Sandra teve uma crise de alergia. Mas todos (incluindo o Hélio) jantamos juntos nessa última noite em Tolhuin.

Lago Khami
Lago Khami

No dia 15 de janeiro de 2016, continuamos nossa jornada. A ideia era fazer pelo menos 50 km até o lago Escondido, mas tentar chegar a Ushuaia naquele mesmo dia não estava fora de questão. O clima estava agradável, com uma leve brisa, e prosseguimos calmamente, parando aqui e ali para tirars fotos. Por volta do meio dia, após 41 km de pedal, chegamos ao restaurante Villa Marina, onde paramos para comer sandíches e tomarmos café. Ficamos cerca de duas horas curtindo o local, que possuía um lago e uma enorme lareira.

Partindo de Villa Marino
Partindo de Villa Marino

Levamos cerca de 1:30 hora para chegar no posto da gendarmeria que fica ao lado do lago Escondido e no início do famigerado trecho de 7 km de subida que leva até o passo Garibaldi. Havíamos ouvido várias histórias de terror de como essa parte do percurso era difícil etc., mas eu estava disposto a tentar chegar até Ushuaia. Christian estava ambivalente e Sandra e Hélio preferiam acampar no lago e realizar o trecho final d aviagem no dia seguinte. A Sandra também estava sentindo o joelho e, após uma consulta com o veterinário local (o único profissional de saúde disponível), que lhe assegurou que não parecia ser nada sério, mas que ela não devia forçar o joelho, resolvemos acampar.

Lago Escondido
Lago Escondido (ao fundo, mais à esquerda: passo Garibaldi)

Pernoitamos à beira do lago numa área de churrascos. A uns dois quilômetros de distância, ainda na margem, encontram-se as ruínas de um antigo hotel. O cicloturista holandês que encontramos no caminho de San Sebastian para Rio Grande havia nos falado desse lugar como sendo bom para pernooite, pois poderíamos armar as barracas dentro das casas, onde estaríaamos mais protegidos, mas preferimos ficar a céu aberto. O Hélio, no entando, fez uma visita ao local. Pouco tempo depois de chegarmos, três cicloturistas se juntaram a nós: dois franceses e um paquistanês. Conversamos durante o jantar (os franceses nos surpreenderam com seu kit de jantar, que incluía uma garrafinha de azeite) e tivemos uma grata surpresa. Quando mencionamos o receio de enfrentar os 7 km até o passo Garibaldi, um dos franceses apontou o passo na distância e disse que a subida que víamos — não muito íngreme — era o trecho ao qual nos referíamos. Ele e o amigo já tinham feito o caminho, em ambos os sentidos, mais de uma vez e não era difícil.

Os franceses
Os franceses

Com essa ótima notícia para nos embalar, fomos dormir — iríamos acordar cedo para encarar esse último trecho e minimizar as chances de toparmos com vento contra.

 

 

Pedal patagônico: Trecho 3.1 – Rio Grande –> Tolhuin

Orla de Rio Grande
Orla de Rio Grande

A ideia original era apenas pernoitar em Rio Grande, mas, dado o perrengue do dia anterior, achamos melhor descansar um dia. Aproveitamos para conhecer um pouco a cidade e resolver pequenas coisas, como a lavar roupa, ir ao supermercado repor nosso estoque e levar a bicicleta do Hélio numa loja para consertar o bagageiro (ficou joia e custo 100 pesos). Entre os pontos que visitamos, está a Plaza Almirante Brown, onde encontramos um posto de informação turística fantástico. A atendente, além de superatenciosa, tinha informação sobre tudo que perguntávamos, inclusive se havia alguma van ou ônibus que pudesse nos levar de Rio Grande até Tolhuin — o tornozelo da Sandra ainda estava ruim e ela não sabia se poderia arriscar pedalar 111 km até a próxima parada na viagem.

Por do sol em Rio Grande
Por do sol em Rio Grande

A resposta era sim: havia um serviço de vans que ligava Rio Grande até Ushuaia e fazia uma parada em Tolhuin, justamente na Panaderia La Unión, cujo dono oferecia um lugar para dormir gratuitamente para cicloturistas. Fomos até a companhia e descobrimos que havia vários horários ao longo do dia. Eles levavam a bicicleta também, mas teríamos que pagar uma passagem extra. No final das contas, a Sandra achou melhor não arriscar e seguir de van, enquanto eu e Hélio faríamos o percurso de bike.

Na manhã seguinte, acordamos às seis e saímos da pousada às 7:30. A Sandra ficou de pegar a van das 8:30, enquanto eu e Hélio seguimos pela estrada. Paramos num posto de gasolina na saída da cidade para calibrar os pneus e, depois, foram cerca de 4 km contra o vento. Por sorte, a estrada fez uma curva grande e acabamos com vento de cauda que nos acompanhou por boa parte da viagem. De início, a paisagem desolada do pampa continuou a mesma, com vislumbres ocasionais do mar, mas, ao longo do dia, a vegetação começou a mudar. A estepe começou a virar bosques e florestas, e o horizonte revelou montanhas.

Pampas
Pampas

Durante a viagem, sempre ficava de olho nas vans que passavam para ver se era a que estava levando a Sandra. Imaginava que se ela passasse e nos visse, pediria para o motorista buzinar ou algo semelhante. Mas durante todo o trajeto, apesar de ver vans da companhia, nenhum sinal dela. Comecei a ficar preocupado, embora pensasse que ela poderia não ter nos visto ou passado por nós quando estávamos fora da pista por algum motivo.

E mais pampas
E mais pampas

Na marca dos 72 km, o vento mudou novamente e voltamos a pegá-lo de frente. Vimos outra usina compressora de gás, desta vez da Camuzzi Gas del Sur, e paramos para comer. Os funcionários nos receberam bem, mas não foram tão calorosos quanto Fabian e seus colegas. Quando retornamos à estrada, o vento continuou forte e de frente — nosso progresso foi penoso, especialmente porque começaram a aparecer morrotes e, consequentemente, subidas. Parecia aquela piada sobre a Primeira Lei de Murphy para o ciclismo: não importa onde você vá, será morro acima e contra o vento. A força contrária era tanta que, do outro lado do morro, quando achávamos que teríamos um descanso porque era uma descida, a bicicleta ficava quase parada e éramos obrigados a pedalar para fazer a bike descer.

 

Usina de compressão de gás
Usina de compressão de gás
O italiano
O italiano

Nessa parte, cruzamos com outro cicloturista em sentido contrário: um italiano. Ele vinha de Tolhuin e tinha pernoitado na panaderia. Aproveitei para perguntar sobre a Sandra e ele confirmou que ela estava lá — havia chegado por volta das 10 h –, o que me deixou mais tranquilo. Seguimos e, depois dos 96 km, o vento diminuiu um pouco. Junto com a sinuosidade do percurso, isso permitiu que chegássemos a Tolhuin ainda com alguma energia.

Chegando...
Chegando…
Tolhuin!
Tolhuin!

Fomos recebidos pela Sandra logo depois da entrada e nos fartamos de facturas e medialunas na Panaderia La Unión.

111,56 km em um dia
111,56 km em um dia

 

%d blogueiros gostam disto: