Skip to content

Ciclocanadá

06/06/2017

Eu e Sandra estamos a ponto de começar a parte de pedal da nossa segunda cicloviagem: Canadá. Depois de ficarmos uma semana em Toronto, estamos partindo hoje para o parque nacional de Bruce Peninsula, onde devemos chegar no domingo.

Desta vez, quem nos acompanha é o casal de amigos que reside no grande norte: João e Celina. É a primeira cicloviagem deles e decidimos fazer da ocasião um projeto, batizado de 4Quadros (ou 4Frames, em inglês — tem aliteração nas duas versões; que maneiro!). Vamso alimentar o site com relatos, imagens e vídeos da empreitada. No momento, o site ainda não está completo, mas isso será corrigido em breve.

Dê um pulo lá e acompanhe a noss apequena aventura!

4Quadros

4Quadros/4Frames

Pedal patagônico: relatório

27/05/2017

Este post é uma compilação de alguns dados sobre a viagem.

Percurso

Total (El Calafate-Ushuaia): 1.000 km

Bicicleta: 598 km

Ônibus: 272 km

Carro: 98 km

Barca: 32 km

Duração

Total (El Calafate-Ushuaia): 28 dias

Pedalando: 9 dias

Progresso (pedal)

Médio: 66,44 km/dia

Maior trecho: 111 km (Rio Grande-Tolhuin)

Menor trecho: 49,40 km (Tolhuin-Lago Escondido)

Avarias

Fred: relação dianteira (no transporte no avião)

Sandra: disco de freio dianteiro (no transporte no avião)

Pneus furados: 0

Também procurei manter controle sobre gastos e peso dos itens, mas não fui tão preciso e completo nesses quesitos, por isso não os apresento aqui. Prometo ser mais cuidadoso na próxima viagem, que começa amanhã: Canadá!

Pedal patagônico: Trecho 3.3 – Lago Escondido –> Ushuaia

20/05/2017
Amanhecer no lago Escondido

Amanhecer no lago Escondido

Acordamos por volta das 5 da manhã e, pouco antes das 7, estávamos na estrada. Como anunciado pelo colega francês, a subida não era tão tenebrosa assim e, sem vento contrário, progredimos num ritmo satisfatório. A paisagem que acompanhava a subida era a do prórprio lago Escondido, que daquela altura,  aparecia em todo os eu esplendor. No caminho, encontramos com um grupo de cicloturistas que tínhamos visto pela primeira vez na pousada El Argentino, em Rio Grande: Ana Lia, seu marido Jorge Meji, os dois filhos do casal e o amigo Lucas Miller. Acabaríamos por seguir até Ushuaia em conjunto, algumas vezes à frente, outras atrás.

 

Lago Escondido (lago Khami ao fundo)

Lago Escondido (lago Khami ao fundo)

Chegando no passo Garibaldi

Chegando no passo Garibaldi

Quando alcançamos o famigerado passo Garibaldi, paramos para tirar fotos e registrar nossa conquista. Depois, seguimos para o outro lado, descendo para o vale. Na minha cabeça, seria uma descida constante até Ushuaia. Ledo engano. A estrada nos levou até o vale e de lá ainda foram uns 40 km até Ushuaia, com direito a algumas subidas íngremes no caminho, além de uma corrente partida, no caso do Christian. Por sorte, Jorge é um mecânico ceritificado pela Shimano e rapidamente resolveu o problema.

 

 

O vale

O vale

 

Com Christian Beiser, Ana Lia, Jorge Meji, Lucas Miller e as ciclistas de Ushuaia

Com Christian Beiser, Ana Lia, Jorge Meji, Lucas Miller e as ciclistas de Ushuaia

Seguimos aproveitando a paisagem do vale e, no caminho, encontramos três ciclistas de Ushuaia (Mirta Mores, Charo Zingoni e outra que nao peguei o nome), que costumam pedalar na região. Elas tinham preparo físico de dar inveja, como pudemos comprovar no breve período em que nos acompanharam no percurso. Quando chegamos no resort de ski Cerro Castor, decidimos parar para comer um cordeiro patagônico. As três seguiram viagem de volta a Ushuaia acompanhadas por Christian, que precisava chegar mais cedo devido a sua hospedagem.

Eu, Sandra e Hélio, mais Ana Lia e seu grupo almoçamos — devo confessar que não achei o tal cordeiro lá essas coisas — e continuamos na estrada para fechar os quilômetros que faltavam, dessa vez com vento contra, além das subidas. Mas apesar desse esforço final, chegamos ao Fim do Mundo, como as fotos abaixo podem comprovar.

O portal de Ushuaia

O portal de Ushuaia

Ushuaia

Ushuaia

Passaporte carimbado

Passaporte carimbado

Fim do mundo

Fim do mundo

Ficamos cinco dias em Ushuaia e conheçamos várias atrações da região, como o Parque do Fim do Mundo e a Estância Halberton (com direito à visita ào berçario de pinguins). Foi um final excelente para uma viagem incrível. Fomos  totalmente infectados pelo vírus do cicloturismo e passamos a planejar destinos possíveis para futuras viagens.

Este post marca o fim do percuso, mas farei uma postagem final com um resumo dos dados.

Superseeds #76: Greater than their Sum, part 1

18/05/2017

Greater than their Sum, part 1 é o septuagésimo-sexto artigo da minha coluna na RPG.netSuperseeds. Neste, falo de um mundo os superseres, gestalts, são formados por fusões de vários indivíduos.

Greater than their Sum, part 1 is the seventieth-sixth installment of my RPG.net column, Superseeds. In this one, I talkabout a world in which superbeings, gestalts, are formed by the fusion of several individuals.

A Bicicleta Púrpura/The Purple Bike

03/05/2017

Ontem à noite, dia 3 de maio de 2017, um taxista me atropelou quando eu voltava de um pedal. Sua roda prendeu meu pé e, por angustiantes segundos, achei que ele estilhaçaria meu tornozelo. No final, escapei com um escoriação feia, um edema, um corte e abrasões.

Esse foi o meu terceiro acidente sério envolvendo carros (sem contar finos, fechadas etc.) desde que comecei a usar a bicicleta como modal de transporte urbano em 1998. Um amigo que é ciclista recente já levou uma portada de um passageiro que saía de seu Uber e teve que engessar o braço.

Pensei no número de ciclistas que já devem ter passado por isso, mas cujas experiências não necessariamente são visíveis (se é que viram estatísticas) e me lembrei de uma condecoração norte-americana, o Purple Heart, agraciada a soldados que são feridos ou mortos em combate.

Por que não termos uma Purple Bike ou Bicicleta (ou Bike) Púrpura?

A ideia é ter um símbolo que quantifique o número de acidentes sérios nos quais o ciclista foi vítima. Por exemplo, eu teria três Bicicletas Púrpuras. Seria mais uma maneira de dar visibilidade ao perigo que aqueles que usam a bicicleta nas ruas brasileiras estão submetidos.

Só para deixar claro, não é para ser uma homenagem à imprudência, uma medalha de guerra ao carro ou um símbolo de mérito a sua indestrutibilidade. A ideia é outra, mais positiva.

Como não sou designer ou artista gráfico, improvisei duas versões usando imagens de domínio público. A primeira é mais fiel à inspiração original, mas é meio estranho chamá-la de Bicicleta Púrpura, já que a bike é branca. Na segunda, a bicicleta é da cor apropriada, no entanto o desenho não chama tanta atenção.

Deixo os arquivos psd e png disponíveis para quem quiser melhorar a ideia. Usem e abusem.

E que nenhum ciclista, daqui por diante, ganhe uma Bicicleta Púrpura!

 

 

 

Bike Púrpura, versão 1

Bike Púrpura, versão 1

Bike Púrpura, versão 2

Bike Púrpura, versão 2

Versão 1 – psd

Versão 2 – psd

Pedal patagônico: Trecho 3.2 – Tolhuin — > Lago Escondido

03/05/2017

Sandra, Christian e Hélio em frente à Panadería Unión

Assim como em Rio Grande, a ideia era só pernoitar em Tolhuin, mas dada a pedalada de 111 km, achamos melhor descansar um dia antes de seguir viagem. Nessa primeira noite, ficamos no quarto que o dono da Panadería La Unió

n disponibiliza no depósito da padaria para cicloviajantes e andarilhos. As paredes do cômodo são repletas de desenhos e mensagens de outr

os viajantes que já haviam passado por ali. O quarto conta com uma cama de solteiro, um beliche e um colchonete. A cama já estava ocupada por um viajante alemão que trabalhava na padaria há um ano para aprender o ofício. Hélio ficou na parte de cima do beliche; Sandra, na de baixo e o colchonete sobrou pra mim.

Bicicleta dupla recurva de Anysya e Alexi

Bicicleta dupla recurva de Anysia e Alexi

Nessa mesma noite, outros cinco cicloviajantes chegaram a Tolhuin. Primeiro, um grupo de quatro que haviam se conhecido em Ushuaia e pedalavam juntos temporariamente: um chileno, um alemão e um casal de suícos, Anysia e Alexi. Estes tinham partido da Suíça, passado pelo Marrocos e chegado a Ushuaia, de onde seguiam para o Alasca. Eles viajam numa bicicleta dupla recurva. O último cicloviajante a chegar foi o argentino Christian Beiser, que nos acompanhou até o final da viagem.

Às margens do lago Khami (ou Fagnano)

Às margens do lago Khami (ou Fagnano)

Na manhã seguinte, nos despedimos de Anysia, Alexi e os outros dois, e aproveitamos para conhecer a pequena Tolhuin na companhia de Christian. A cidade fica às margens do lago Khami (ou Fagnano), onde encontrams um condomínio de chalés e o que pareceu ser um aparque de diversõe sou feira abandonado. Na volta, comemos torta frita. À noite, eu, Sandra e Christian mudamos para uma pousada, porque ele não estava conseguindo dormir e a Sandra teve uma crise de alergia. Mas todos (incluindo o Hélio) jantamos juntos nessa última noite em Tolhuin.

Lago Khami

Lago Khami

No dia 15 de janeiro de 2016, continuamos nossa jornada. A ideia era fazer pelo menos 50 km até o lago Escondido, mas tentar chegar a Ushuaia naquele mesmo dia não estava fora de questão. O clima estava agradável, com uma leve brisa, e prosseguimos calmamente, parando aqui e ali para tirars fotos. Por volta do meio dia, após 41 km de pedal, chegamos ao restaurante Villa Marina, onde paramos para comer sandíches e tomarmos café. Ficamos cerca de duas horas curtindo o local, que possuía um lago e uma enorme lareira.

Partindo de Villa Marino

Partindo de Villa Marino

Levamos cerca de 1:30 hora para chegar no posto da gendarmeria que fica ao lado do lago Escondido e no início do famigerado trecho de 7 km de subida que leva até o passo Garibaldi. Havíamos ouvido várias histórias de terror de como essa parte do percurso era difícil etc., mas eu estava disposto a tentar chegar até Ushuaia. Christian estava ambivalente e Sandra e Hélio preferiam acampar no lago e realizar o trecho final d aviagem no dia seguinte. A Sandra também estava sentindo o joelho e, após uma consulta com o veterinário local (o único profissional de saúde disponível), que lhe assegurou que não parecia ser nada sério, mas que ela não devia forçar o joelho, resolvemos acampar.

Lago Escondido

Lago Escondido (ao fundo, mais à esquerda: passo Garibaldi)

Pernoitamos à beira do lago numa área de churrascos. A uns dois quilômetros de distância, ainda na margem, encontram-se as ruínas de um antigo hotel. O cicloturista holandês que encontramos no caminho de San Sebastian para Rio Grande havia nos falado desse lugar como sendo bom para pernooite, pois poderíamos armar as barracas dentro das casas, onde estaríaamos mais protegidos, mas preferimos ficar a céu aberto. O Hélio, no entando, fez uma visita ao local. Pouco tempo depois de chegarmos, três cicloturistas se juntaram a nós: dois franceses e um paquistanês. Conversamos durante o jantar (os franceses nos surpreenderam com seu kit de jantar, que incluía uma garrafinha de azeite) e tivemos uma grata surpresa. Quando mencionamos o receio de enfrentar os 7 km até o passo Garibaldi, um dos franceses apontou o passo na distância e disse que a subida que víamos — não muito íngreme — era o trecho ao qual nos referíamos. Ele e o amigo já tinham feito o caminho, em ambos os sentidos, mais de uma vez e não era difícil.

Os franceses

Os franceses

Com essa ótima notícia para nos embalar, fomos dormir — iríamos acordar cedo para encarar esse último trecho e minimizar as chances de toparmos com vento contra.

 

 

Superseeds #75: Planetary Guide Entry #099: The Immortal Gunslinger

17/04/2017

Planetary Guide Entry #099: The Immortal Gunslinger é o septuagésimo-quinto artigo da minha coluna na RPG.netSuperseeds. Neste, combino legado heroico com imortalidade.

Planetary Guide Entry #099: The Immortal Gunslinger is the seventieth-fifth installment of my RPG.net column, Superseeds. In this one, I combine heroic legacy with immortality.

%d blogueiros gostam disto: